PROPOSTA DO CURSO

O enunciado “Caminhada como prática poética” visa agrupar distintas experiências na Arte e na Educação. O ‘ato de caminhar’ é uma ação atávica e  fundamental para a construção dos percursos da civilização humana. Iremos focar na produção de conceitos e elaboração de procedimentos criativos baseados na prática recente de “artistas-caminhantes” , dentro do cenário da  Arte Contemporânea, como nova modalidade de pensar e produzir novas e outras metodologias ao Ensino e produção da Arte e Educação, envolvendo distintas áreas do conhecimento.

Os cruzamentos interdisciplinares entre Arte, Ciência (Humana e Exata) e Técnica, através  da presença  de profissionais ligados às várias áreas  do conhecimento que possam enriquecer o repertório para que, justamente, a prática da caminhada – como matéria poética –  seja evidenciada como  uma construção possível de elaboração de métodos para a observação, formulação  e apropriação de informações  e produção de conhecimentos revertido  em experiências poéticas e educadoras.  A maneira como o Curso será constituído – entre Teoria e Prática – , almeja oferecerextensa referências bibliográficas, material iconográfico e práticas imersivas – dentro/fora da cidade –, e embasando pesquisas e poéticas pessoais que possam se concretizar em produções artísticas  – através de  textos poéticos, livros de artista, performances, vídeos e/ou ou ensaios teóricos e reflexivos – bem como a estruturação/elaboração de métodos aplicáveis  à Educação

Nova turma em breve

MAIS INFORMAÇÕES

Tem dúvidas sobre nossas pós-graduações ou gostaria de entrar numa fila de espera para novas turmas? Deixe sua mensagem e entraremos em contato.

​COORDENAÇÃO
GERAL

Profa. Dra. Ângela Castelo Branco Teixeira e Prof. Dr. Giuliano Tierno de Siqueira

CONCEPÇÃO E COORDENAÇÃO

Profa. Dra. Honoris Causa Edith Derdyk

PERÍODO DE
REALIZAÇÃO

Nova turma em breve
(Carga horária 420 horas)

CONTATOS

e-mail: cursos.acasatombada@gmail.com
WhatsApp: (11) 98151-6255
Fone: (11) 3675-6661

OBJETIVO GERAL: O objetivo geral do curso será promover um repertório extensivo e interdisciplinar  com possibilidades amplas  de pesquisa teórica-prática na área que conecta Arte e Educação, oferecendo uma oportunidade singular de contato com as distintas áreas de conhecimento  – Arte, Ciência (Humanas e  Exatas), Técnica – estruturando metodologias que envolvam a prática criativa referente ao enunciado recente na Arte Contemporânea – ‘a caminhada como matéria poética’.

OBJETIVO ESPECÍFICO: A partir de referências bibliográficas, material iconográfico, informações históricas, diversidade de informações  relativas às distintas medias e linguagens (desenho, foto,  vídeo, performance, escrita e outras)  bem como conteúdos  específicos ligados  à Técnica e Ciências , que possam dar  um largo contorno ao enunciado central do curso – ‘a caminhada como matéria poética’ –   além  da problematização das modalidades artísticas contemporâneas e  suas recorrências no Ensino/Educação,  vivências imersivas , visamos  ativar  a produção teórica – prática recorrente   deste  repertório oferecido, tendo sempre a motivação oriunda do ato de caminhar . O pilar construtivo de todas as áreas do conhecimento se funda  exatamente nas experiências decorrentes do ato de caminhar, presente  em todas as  civilizações,  como necessidade vital e intrínseca de explorar e expandir  os campos territoriais. Consequentemente,  as condições do corpo – das instâncias físicas às subjetivas, das materiais às imateriais, do plano real às dimensões simbólicas, são estruturadas e estruturantes  de nossas experiências  espaço- temporais civilizatórias. Diante das novas geografias humanas que se apresentam – seja nas cidades, seja em ambientes rurais, novas questões e impasses são problematizadas e apresentadas em relação aos significados vitais dos deslocamentos do ser humano no tempo e espaço. O curso tem, como objetivo específico, ampliar o repertório sensível e inteligível relativo às novas modalidades do fazer artístico, se apoiando na inserção relativamente recente do enunciado  “caminhada como matéria poética” na paisagem da  Arte Contemporânea e na Educação como Método de Ensino,   envolvendo  todas as  disciplinas  ligadas  à Arte, Ciência e Técnica.

 

DISCIPLINAS: 

1.Caminhada e seus percursos históricos – do Neolítico  à Arte Contemporânea

O ato de caminhar é uma necessidade atávica e funcional, constitutivo da formação do homo faber/homo ludens, fundamental para a constituição da subjetividade de todo o percurso civilizatório – desde as primeiras migrações nas eras arcaicas até a formação dos núcleos urbanos contemporâneos. Iremos sinalizar a entrada do assunto “o ato de caminhar”   que inaugura sua presença como matéria poética na Arte Contemporânea desde o Romantismo até os dias atuais. Dos  nômades arcaicos  aos artistas-caminhantes contemporâneos, alguns recortes históricos  se destacam dentro da Literatura e  da Arte –  seja nas práticas literárias  de escritores como Flaubert, Thoreau, Rousseau às práticas  dos dadaístas/surrealistas, dos situacionistas  e , mais recentemente, artistas da década de 60/ 90 tais como Richard Long, Hamish Fulton , Francis Alyis aos coletivos performáticos presentes na  cena urbana, atuando como propositores de caminhadas extensas pela cidade.

 

2. Caminhada e a História do Corpo – do funcional ao poético e suas derivações

Este  módulo pretende  instrumentalizar os alunos para a problematização  da História do Corpo e suas  interrelações com o tempo e  o espaço  – desde a compreensão de seu funcionamento dentro  do processo de desenvolvimento  do corpo bípede capaz de  atravessar longas  distâncias  às suas potências expressivas como linguagem poética. O enunciado “a caminhada como prática poética” implica na compreensão do próprio corpo como  assunto de linguagem. A busca de referências e repertórios dentro da História da Arte irá evidenciar  as passagens do corpo arcaico e anímico ao  corpo racional, do corpo  pragmático, clássico e funcional ao corpo poético e expressivo, que emerge a partir do Romantismo e Modernismo, se estendendo até os dias atuais em outras  versões. O corpo será tomado como assunto que irá motivar a investigação  do ato de caminhar dentro do arco extenso do percurso da civilização  humana.

 

3. Caminhada e os saberes da Ciência (astronomia, geologia, antropologia, ecologia e afins)

Considerando o ato de caminhar como uma necessidade  fundante  da constituição da espécie humana para atravessar os tempos e os espaços – desde as rotas migratórias  arcaicas até os fluxos  globais , a Ciência se faz presente como instrumento de decodificação da Natureza, garantindo  a sobrevivência da espécie – seja na observação  das estrelas às correntes marítimas, da formação geológica da terra à construção de idéia de paisagem,  bem como o significado da dimensão simbólica e real do encontro com o desconhecido que o ato de caminhar proporciona  aos caminhantes   – desde os nômades arcaicos aos atuais viajantes.          

 

4. Caminhada na Literatura e Filosofia

A Literatura e a Poesia são matérias extensas no que diz respeito à questão  da caminhada, envolvendo desde  os relatos de  viajantes descobrindo o mundo na Antiguidade  até os novas modalidades de deslocamento e, portanto, de percepção espaço temporal, dado o GPS. De Lao Tsé a Baudelaire, de Walter Benjamin a Italo Calvino, iremos nos debruçar  sobre  este amplo universo onde  escrever e caminhar são atos correlatos. A filosofia  guarda, em sua tradição,  os relatos verbais dos primeiros filósofos gregos que caminhavam acompanhados  de seus discípulos  – a Escola Peripatética –  até  as recentes teorias  filosóficas deleuzianas   que, desde Spinoza, incorporam o corpo andante agregado ao fluxo do pensamento como  assuntos  filosóficas  para a  compreensão  da essência da matéria vida e morte em seus percursos indeterminados .

 

5. Caminhada e as modalidades de registro – desenho, fotografia, vídeo

Os instrumentos  de captura da observação e percepção sempre se fizeram presentes, em toda e qualquer experiência humana. Em se tratando de  percurso físico de um lugar ao outro, cuja natureza  da experiência  é absolutamente efêmera e  fugaz, trata-se de   se apropriar de   modalidades de registro – seja através do desenho, da escrita, da fotografia, do vídeo – para que  as observações sejam passíveis de se tornarem linguagem – relatos narrativos, desenhos, livros de artista, performances e outras linguagens expressivas. Para tanto, iremos capacitar os estudantes a entenderem  e se apropriarem da especificidade de cada linguagem como método de construção do pensamento e suas decorrentes aplicações  sejam no campo da Arte, seja no campo da Educação.

 

6. Caminhada na paisagem urbana e natural : mapa e território

O ato de caminhar implica no atravessamento e deslocamento físico de um corpo pelos espaços  – sejam estes  urbanos ou rurais, artificiais ou naturais – esbarrando na realização de conceitos que envolvem a noção de mapa e território. Cartografia, topografia, fronteira, borda, vias, limites – são alguns dos  elementos constitutivos na elaboração destes conceitos que desenham a construção da ideia de paisagem, envolvendo  informações  oriundas da relação entre  natureza e  cultura, arte e arquitetura, a história da construção das cidades e seus fluxos, as fricções entre centros e periferias, entre sedentarismo e nomadismo contemporâneos.

 

EQUIPE  DE PROFISSIONAIS CONVIDADOS     

Peter Pál Pelbart – Filosofia

Noemi Jaffé – Literatura

Ângela Castelo Branco – Literatura

Alice Ruiz – Poesia

Jacopo Crivelli – História da Arte

Guilherme Wisnik – Arquitetura

Arthur Iraçu – Antropologia

Rita Mendonça – Biologia e Ecologia

Laerte Sodré Jr – Astronomia

Marcelo Semiatzh – Fisioterapia

Stela Barbieri_ – Educação

Cecília Salles – Crítica Genética

Giuliano Tierno – Metodologia

Inês Bonduki – Fotografia

Rodrigo Gontijo – VideoArte

Renan Marcondes – Performance

Lua Tatit – Artes do Corpo

Iris Kantor – Cartografia

Gabriela Leirias – Geografia e Práticas Cartográficas

Renato Hofer – Artista Caminhante

Vânia Medeiros – Artista Caminhante

Carla Caffé – Desenho

Tamara Andrade – Desenho

Coletivo Dodecafônico

Sampapé – Letícia Sabino

Paula Janovitch – Travessia Urbana – Sociologia